Mamoplastia de Aumento (inclusão de prótese de mama)

A inclusão prótese de silicone nas mamas tem sua indicação em pacientes que apresentem mamas pequenas (hipotrofia mamária) ou que após a fase de amamentação tiveram redução do tamanho da mama, sem que houvesse uma flacidez acentuada da mesma.

Nos dias atuais, sabe-se que a inclusão da prótese de silicone nas mamas não aumenta o risco de câncer de mama nem tampouco promove o desenvolvimento de doenças auto – imunes como se pensava.

Com a evolução das técnicas de exames de imagem para o rastreamento do câncer de mama, a presença da prótese de silicone não atrapalha a realização dos exames e/ou influencia no diagnóstico precoce de doenças mamárias, inclusive do câncer de mama.

Com o aumento da qualidade das próteses de silicone, o intervalo para a troca vem se tornando cada vez mais longo. Não há mais uma troca obrigatória em determinado período. O que indica o momento para a troca da prótese é o endurecimento progressivo da cápsula que se forma ao redor da mesma. Esta cápsula tende a deformar a prótese e, em alguns casos, pode causar dor.

Como é a cirurgia de inclusão de prótese de mama?
A cirurgia de inclusão de prótese de silicone pode ser realizada com anestesia local e sedação na maioria dos casos e, eventualmente, com anestesia geral.

Existem três tipos principais de vias de acesso para a colocação da prótese.

Inframamária – pelo sulco mamário – mais utilizada, pela segurança do método e bom posicionamento da cicatriz.

Periareolar – Através de uma incisão semicular na borda da aréola – depende do tamanho da aréola da paciente para ser cogitada

Axilar – através da prega axilar – atualmente bem pouco utilizada pelo maior índice de complicações

Onde é colocada a prótese de silicone?
A localização da prótese de silicone pode ser embaixo da glândula ou abaixo do músculo. Cada método tem suas vantagens e desvantagens, devendo ser a escolha feita em conjunto pelo médico e o paciente.

As próteses de mama podem variar de forma, de conteúdo e de superfície. A forma pode ser redonda (baixo, moderado, alto), anatômica (“gota”) e cônica. O conteúdo pode ser de silicone ou de soro fisiológico. A superfície da prótese pode ser lisa ou texturizada.

Como é o pós-operatório?
Para próteses colocadas abaixo da glândula mamária e acima do músculo, o pós-operatório é menos doloroso e o tempo de recuperação reduzido.

O tempo de limitação dos movimentos também é menor pela menor chance de deslocamento das próteses, se comparado com o método submuscular.

Após dez dias da cirurgia a paciente já está liberada para dirigir, porém ainda tem algumas restrições. Após 30 dias, todos os movimentos são permitidos e pesos até 5 kgs também. Só exercícios para braços e peitoral não são permitidos até completar 2 meses.

No pós operatório imediato o resultado é bastante evidente, embora, o definitivo é esperado com 6 meses de pós operatório.

Embora raro, podem ocorrer algumas complicações com a cirurgia de implante de prótese mamária, como contratura da cápsula que é formada ao redor do implante mamário e problemas anestésicos, além de hematoma, extrusão da prótese e infecção.